Por que uma securitizadora possui taxas atrativas para o mercado?

Compartilhar

A securitização é uma opção de crédito para a empresa que necessita de capital de giro, e possui algumas vantagens em relação ao empréstimo bancário, inclusive a de oferecer taxas de juro mais atrativas. Esse certamente é um grande diferencial para quem precisa de dinheiro, mas não pode arcar com parcelas altas de financiamento corporativo.

Neste artigo, mostraremos como uma securitizadora consegue oferecer as melhores taxas de mercado!

O que é a securitização

Securitização é o nome dado a uma operação em que uma empresa vende, para uma instituição devidamente autorizada, seus títulos de crédito a receber (cheques e duplicatas).

Trata-se, portanto, de antecipar recebíveis. As contas a receber são recebidas antes do prazo estipulado. Para a securitizadora, a operação naturalmente envolve riscos. Por esse motivo, os títulos são trocados com um pequeno desconto, que varia de acordo com a data de vencimento de cada um.

Assim, um título que vence em 30 dias oferece um desconto menor que outro que vence em 60 dias.

Mesmo considerando esses descontos, a securitização é uma saída para a empresa que precisa de capital de giro de maneira mais imediata, ou seja, não pode esperar muito. Os descontos são pequenos e é certo que a empresa contará com recursos suficientes para fazer o que precisa ou deseja.

Uma securitizadora pode obter os direitos creditórios referentes a:

  • Empréstimos de hipotecas;
  • Imóveis;
  • Financiamento de carros;
  • Leasings;
  • Rcebíveis de duplicatas e cheques;
  • Contratos para fornecimento posterior de insumos.

Até mesmo entidades do governo recorrem à securitização, vendendo dívidas relativas a tributos para levantar dinheiro com mais rapidez.

Os recursos da securitizadora

A securitizadora investe em FIDCs, os fundos de investimento em direitos creditórios. Os FIDCs são classificados como investimentos de médio risco, já que o investidor só tem ganhos se os títulos forem efetivamente compensados.

Mas, como a carteira se compõe de diferentes títulos, a diversificação minimiza os riscos e oferece boas perspectivas de rentabilidade. Os FIDCs são também considerados como investimentos de renda fixa.

Na verdade, a securitizadora só compra e repassa os títulos depois de analisar os riscos envolvidos. Por isso, ela tem até o direito de retornar contra uma empresa que venda títulos por que, de antemão, ela já tenha certeza de que não receberá.

Os juros da securitização

Os juros bancários são as taxas de mercado mais altas, o que contribui para tornar os empréstimos bancários inviáveis — pelo menos, em muitas situações.

Um dos bancos que mais contribuem para o desenvolvimento econômico, com linhas de crédito empresarial mais atrativas, é o BNDES.

No entanto, de modo geral, os juros bancários são realmente perigosos, e, por isso, muitos economistas recomendam: “Fuja dos juros dos bancos!”; “Antes de apelar para o banco, considere e experimente outras possibilidades”.

A securitização é uma dessas possibilidades, pois, em relação aos juros, é uma operação muito mais acessível para as empresas.

Enquanto o crédito bancário sofreu uma retração de 3,5% no ano de 2016, os FIDCs tiveram um significativo aumento de 11,6%. Uma das razões para esse crescimento são exatamente as taxas de mercado mais atrativas.

Os juros de uma securitização são aplicados de forma unificada no momento da venda e compra dos títulos. Na verdade, os juros de securitização são aplicados na forma de descontos sobre os títulos.

As mais atrativas taxas de mercado

Quando se compra um produto novo em uma loja, a partir do momento em que ele sai dessa loja, começa a sofrer o se chama “depreciação”. Assim, caso a pessoa deseje revender esse mesmo produto, o mais provável é que só consiga negociá-lo por um preço inferior ao da loja.

Quando uma empresa resolve vender seus cheques e duplicatas a fim de obter capital de giro, ela vende com desconto também. É nisso que consistem os juros de securitização. Por esse motivo, o gestor não tem com o que se preocupar, ou seja, ele não faz uma nova dívida, pela qual terá que pagar juros durante um prazo determinado.

A redução acontece de acordo com a data de vencimento de cada título, incidindo uma taxa que é aplicada mensalmente.

Os privilégios fiscais de uma securitizadora

Mas por que uma securitizadora pode oferecer taxas de mercado mais interessantes?

Os bancos também podem antecipar recebíveis, ainda que não comprem as dívidas. Eles trocam os títulos, mas, caso não recebam o valor integral no prazo definido, têm direito de retornar contra a empresa, devolvendo os títulos não pagos e recebendo tudo que foi antecipado com juros.

Além disso, incidem encargos como IOF e algumas taxas relacionadas à operação. Como o spread bancário costuma ser alto, a empresa pode perder muito na negociação.

No caso de securitizadoras, elas podem realmente cobrar taxas de mercado mais acessíveis, pois não existem tantos gastos com infraestrutura e manutenção dos serviços. Algumas podem operar de forma exclusivamente online. Como atuam na área de investimentos (FIDCs), cuja demanda tende a aumentar, sua fonte de renda tende a crescer no mesmo ritmo.

Além disso, elas podem diversificar seus serviços, ampliando as fontes de renda, o que é vantajoso para elas e para seus clientes.

Para efeitos legais, a securitizadora não é uma instituição financeira, mas uma instituição auxiliar normatizada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e não pelo Banco Central, que normatiza os bancos e as outras instituições financeiras.

Essa instituição pode, desse modo, usar de mais flexibilidade na hora de cobrar por seus serviços de securitização, o que representa vantagem para a empresa, pois ela:

  • Não aumenta o índice de endividamento no balanço;
  • Paga baixos custos pela operação (comparando com outras formas de obtenção de capital de giro);
  • Usufrui de um spread de juros favorável;
  • Goza de mais divulgação no mercado de capitais.

Percebe agora como as taxas de mercado da securitização podem ser mais vantajosas para a empresa? Então, aproveite e fale conosco para saber mais!


Compartilhar

Comente este artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *