Inadimplência: 7 dicas valiosas para evitar esse problema

Compartilhar

Eliminar completamente a inadimplência é um horizonte para ser perseguido pelas empresas, principalmente em um momento como o que passamos hoje, em que nosso país começa a dar sinais de recuperação da crise financeira que impactou todos os segmentos do mercado.

Dessa forma, reduzir a inadimplência deve ser uma preocupação constante dos gestores, uma vez que ela é capaz de produzir efeitos indesejados, como a redução do fluxo de caixa, que pode acabar forçando a contratação de empréstimos com altas taxas de juros.

Esse tipo de problema não precisa chegar a se instalar dentro da sua empresa, pois a sua origem é uma questão que pode ser minimizada se for gerenciada adequadamente.

Por isso, preparamos este post com várias estratégias para serem aplicadas na sua empresa, de modo a reduzir consideravelmente a ocorrência de inadimplência no seu negócio. A chave para isso é um planejamento adequado, independentemente do seu segmento de atuação.

Confira a seguir uma série de dicas valiosas que preparamos para você aplicar na sua empresa.

1. Nunca deixe de realizar consultas de crédito

Essa já é uma prática muito comum na grande maioria das empresas e, por isso mesmo, não criará um clima desagradável com o seu cliente. A maioria das pessoas já sabe que a concessão de crédito ou abertura de crediário está sujeita a uma consulta prévia do histórico de pagamentos das compras anteriores.

Uma das possíveis desvantagens dessa estratégia é o fato de que a qualidade de bom pagador de uma pessoa pode mudar de um dia para o outro. Por isso, essa consulta deve ser repetida a cada novo crediário ou concessão de crédito, desde que isso seja possível e não vá gerar nenhum mal-estar desnecessário com o seu público alvo. O objetivo deve ser sempre diminuir a inadimplência e não afastar a clientela.

Uma boa solução para prevenir atritos desnecessários é deixar bem à vista as regras praticadas pela sua empresa no que diz respeito à concessão de crédito e à abertura de novos crediários.

2. Procure utilizar formas seguras de pagamentos

Uma forma eficiente de reduzir a inadimplência é trabalhar com formas de pagamento mais seguras do ponto de vista do recebimento. Outra medida que pode ser adotada é a de sempre deixar muito claras todas as opções de pagamento com as quais a sua empresa trabalha para evitar situações desagradáveis.

Outro cuidado a ser tomado é a forma como você deve trabalhar com cheques. Se decidir que vai aceitá-los, assegure-se de não receber cheques de terceiros. Não esqueça de deixar seus critérios bem claros e à vista do comprador.

3. Mantenha um histórico dos devedores

Nunca, em hipótese nenhuma, deixe de registrar meticulosamente aquilo que tem a receber e a data em que vai receber. Dessa forma, você vai ser capaz de fazer a separação entre os bons e os maus pagadores, valorizando os clientes fidelizados e que são cumpridores dos prazos, concedendo mais prazo ou descontos especiais para eles, estimulando-os a continuar com essa boa prática de pagamento.

Com esse controle, você também vai ser capaz de observar melhor os efeitos da sazonalidade. Os três primeiros meses do ano, tradicionalmente, registram nível maior de inadimplência, e datas comemorativas, como Dia das Mães e Natal, também.

A partir do seu registro, você será capaz de identificar aqueles clientes que não têm o hábito de pagar suas contas em dia, independentemente do período do ano.

4. Seja sempre muito claro

Nunca deixe de ser claro e objetivo a respeito da política de concessão de crédito e pagamentos adotada pela sua empresa.

Deixe o seu cliente sempre ciente de quais são as possibilidades de pagamento, as taxas envolvidas, as consequências dos atrasos, qual a conduta adotada pela empresa em caso de não cumprimento dos prazos, quais os juros e multas aplicadas nesses casos.

Dessa forma, você facilita o diálogo com o cliente na hora de cobrar algum valor em atraso.

5. Realize as cobranças da maneira correta

Envie faturas e boletos, no mínimo, com cinco dias de antecedência da data de vencimento. Em caso de atraso no pagamento, realize a primeira cobrança três ou quatro dias após essa data. Preferencialmente, realize esse contato via e-mail.

Passados 10 dias de atraso, faça o primeiro contato telefônico. Outra medida possível é enviar semanalmente um boleto oferecendo uma proposta de regulamentação da situação do inadimplente.

Se todas essas tentativas falharem, antes de entrar com uma representação judicial há a possibilidade de, passados 30 dias, enviar uma carta registrada contendo o total da dívida atualizada e oferecendo opções para a regularização do débito.

6. Nunca venda sem nota fiscal

Essa dica pode parecer óbvia, uma vez que há obrigatoriedade de fornecer a nota fiscal, e não fazê-lo configura uma contravenção. Em todo caso, ao realizar vendas sem nota fiscal, o vendedor fica impedido de acionar a Justiça para realizar a cobrança de uma dívida.

Vale também lembrar que uma ação judicial deve ser sempre a sua última opção. Tente todas as formas possíveis para não ter de chegar a esse ponto.

7. Aja rápido para diminuir a inadimplência

Dívidas tendem a crescer de forma descontrolada, e é possível que o inadimplente não esteja devendo somente a você, portanto seja rápido ao cobrar sua dívida.

Não deixe a situação se agravar e, se possível, tenha um plano de liquidação das dívidas para oferecer ao seu devedor. Sempre proponha acordos para os casos cujo risco de não receber seja maior.

Procure sempre apurar o motivo do atraso do pagamento para registrar no seu controle. Ao realizar acordos, peça ao inadimplente que envie seus termos de acordo por escrito, como e-mail, por exemplo.

Como dissemos, erradicar totalmente a inadimplência pode não ser possível, mas pode-se conseguir reduzir drasticamente as perdas por atrasos e dívidas que não são honradas, garantindo a saúde financeira da sua empresa.

Gostou desse conteúdo? Não deixe de acompanhar o nosso Linkedin para estar sempre atualizado e não perder nenhuma novidade.


Compartilhar

Comente este artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *