Conheça 5 opções de linhas de crédito para a sua PME

Compartilhar

Para que um negócio possa crescer, é preciso realizar diversos investimentos e financiar operações variadas. Muitas vezes, a forma de tornar isso possível consiste em recorrer a uma linha de crédito. Por meio dela, o empreendimento recebe um aporte significativo de recursos e, ao pagar os custos da operação, pode-se dar sequência aos seus planos de crescimento.

Essa opção não é indicada apenas para as grandes empresas, já que também há linhas voltadas para as PMEs. O Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) é uma instituição que oferece diversas possibilidades para quem deseja crescer no mundo dos negócios. Além dele, há oportunidades em outras empresas do ramo financeiro.

Quer saber algumas boas ideias para ter mais recursos em seu negócio? Continue lendo o nosso artigo e descubra 5 alternativas para obter crédito para uma PME.

1. Capital de giro

O capital de giro tem a ver com a quantia necessária que o negócio exige para conseguir financiar as suas atividades durante um determinado período. A falta desse dinheiro faz com que o empreendimento entre em uma situação perigosa, perdendo chances de investimento e até a capacidade de se manter no mercado.

Uma das linhas de crédito tem a ver com a concessão de capital de giro. Baseando-se na diferença entre ativos e passivos circulantes, há o cálculo quanto à necessidade desse montante.

Esse valor pode ser obtido em linhas de financiamento específicas, com prazos mais curtos e condições de pagamento diferenciadas. Trata-se de uma opção pontual, que serve para solucionar os problemas financeiros do negócio apenas por um curto período de tempo.

É uma possibilidade viável aos que estão começando agora, bem como para aqueles que estão encarando alguma dificuldade quanto ao volume de vendas. Para exigências quanto à liquidez contínua, entretanto, pode ser uma boa solução para financiar as necessidades variáveis de curto prazo da empresa.

2. Conta garantida

No caso da conta garantida, é preciso abrir uma conta-corrente em uma instituição financeira que oferece essa modalidade. A partir disso, a PME recebe garantias que podem ser reais ou de recebíveis.

Nesse caso, o negócio tem a certeza de descontar certas duplicatas, conforme a necessidade. Por causa do relacionamento com a instituição, é comum que as taxas e as condições sejam melhores.

Ao mesmo tempo, a cobrança de IOF incide no valor obtido, o que aumenta os custos do processo e piora o recebimento de dinheiro. Como cada operação é tributada, é necessário ter um planejamento estratégico de curto prazo para utilizar essa possibilidade.

3. Cheque especial

Assim como as pessoas físicas podem usar essa modalidade, o cheque especial também faz parte das possibilidades para PMEs.

Essa linha de crédito tem a ver com a movimentação financeira da conta e é uma forma de dar um limite extra para uso de recursos. Ela funciona de maneira pré-aprovada e os valores podem ser usados de acordo com a necessidade.

O grande problema tem a ver com os custos. O cheque especial tem a segunda maior taxa de juros do mercado e perde apenas para o cartão de crédito. Apesar de algumas instituições oferecerem alguns dias gratuitamente, é comum que o prazo não passe de mais de um mês.

Quando a empresa está com dificuldades persistentes, essa linha pode gerar um grande endividamento, o que aumenta os problemas de gestão financeira. Por isso, deve ser usado com cuidado e apenas em casos extremos, de modo a evitar dor de cabeça no futuro.

4. Empréstimo em financeiras

Quando a empresa precisa de dinheiro, uma das primeiras linhas de crédito que vêm à mente é o empréstimo. Essa é uma opção que pode ser obtida em financeiras, a partir da avaliação dos riscos trazidos.

No caso dos negócios, são avaliadas questões como desempenho anterior, projeções para o futuro e pretenso uso do montante. Dependendo de cada situação, inclusive, os recursos podem ser negados, atrapalhando os planos.

Se o valor for concedido, há um pagamento de juros, que varia para cada financeira. Quanto mais longo for o empréstimo, maiores são os juros e o custo efetivo total da transação, o que deve ser considerado.

É uma opção bastante utilizada quando se deseja obter uma quantia maior de dinheiro e com grande liquidez. Antes de ceder às promessas, entretanto, é fundamental fazer uma análise completa.

Uma alternativa aos juros do financiamento é recorrer aos programas do BNDES. Nesse caso, o banco oferece condições diferenciadas para empreendimentos de pequeno porte, com juros mais favoráveis em longo prazo. Contudo, é necessário se enquadrar nos requisitos, como de faturamento.

5. Antecipação de recebíveis

Essa operação de crédito prevê que a sua empresa obtenha agora o dinheiro que tem direito a receber no futuro. Ou seja, você não precisa esperar o pagamento dos clientes para conseguir o dinheiro de que precisa.

A grande vantagem dessa modalidade é obter o crédito sem burocracia e contar com a incidência de menor taxas. Duas das modalidades de antecipação de recebíveis apresentadas pelo mercado são: 

Instituições financeiras

Esse caso prevê a venda do título creditório para um banco. Há incidência de taxas mais altas e, por isso, você recebe um montante mais baixo devido aos descontos realizados.

Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC)

Os FIDCs são voltados para os investimentos de longo prazo. São operações que possuem custos menores e são bastante rápidas. Além disso, são regulamentados pela Comissão de Valores Mobiliários (CMV) e possuem isenção de IOF.

A principal vantagem dessa modalidade é ser mais flexível e menos burocrática. Você também conta com um atendimento qualificado, visto que as empresas que oferecem esse tipo de crédito são especializadas e têm uma equipe específica para o atendimento a essa operação.

E você já sabe qual a melhor linha de crédito para sua empresa? Entre em contato com a gente!


Compartilhar

Comente este artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *