8 dicas para um bom planejamento financeiro para PMEs

Compartilhar

A maioria dos gestores se esforça bastante para criar produtos e serviços inovadores, aumentando suas vendas e, consequentemente, o tamanho da empresa. No entanto, muitos deles se esquecem de um detalhe fundamental: o planejamento financeiro.

Basicamente, essa é uma ferramenta de gestão e administração voltada para a organização das finanças. Para isso, ele se baseia no reconhecimento de uma determinada situação financeira, junto com a determinação dos objetivos do negócio.

Nesse sentido, toda a sua estratégia de produção e vendas pode cair por terra se você não souber planejar as finanças do seu negócio. Então, pensando nisso, trouxemos neste post 8 dicas essenciais para fazer o planejamento financeiro e otimizar ainda mais a lucratividade do seu negócio. Confira!

8 dicas para ter um bom planejamento financeiro

1. Tenha um relatório de fluxo de caixa

Como dissemos, o planejamento financeiro consiste no controle de despesas e receitas de uma empresa — e não há forma mais eficaz de fazer isso do que por meio de um relatório demonstrativo do fluxo de caixa.

Basicamente, ele permite que o gestor tenha uma ampla visão da atual situação financeira do seu negócio. Além disso, facilita a contabilização dos ganhos e uma melhor gestão dos movimentos financeiros da empresa.

Em alguns casos, vale ressaltar, pode surgir a necessidade de usar softwares de gerenciamento para garantir a correta alimentação do relatório de fluxo caixa. Isso dependerá muito do tamanho da empresa e das movimentações financeiras. De toda forma, trataremos disso mais adiante.

2. Constitua um capital de giro

É fundamental que a sua empresa possua certa quantia de dinheiro reservada para que as operações possam fluir com tranquilidade. Tenha isso em mente — especialmente no início das atividades do negócio, quando o faturamento pode ser menor ou até mesmo inexistente, ou quando será dado início a um grande empreendimento.

3. Saiba separar as finanças pessoais e as da empresa

Muitos empreendedores consideram o caixa do seu negócio uma extensão da sua carteira ou conta bancária. Mas esse é um dos principais erros que comprometem o planejamento financeiro das empresas.

Na verdade, jamais se deve misturar a conta pessoal do empresário com a da empresa. Fazendo isso, todo o seu planejamento financeiro ficará comprometido, uma vez que você nunca poderá ter a noção exata de quanto a empresa está gastando em suas operações, ou de quanto é destinado ao pagamento de despesas diversas.

4. Dê atenção a todo tipo de gasto 

Também é muito comum vermos gestores acompanhando e se preocupando apenas com os grandes investimentos e custos incorridos dentro de um negócio. No entanto, as “pequenas” despesas podem ferir gravemente as suas finanças — especialmente se você não estiver prestando atenção nelas.

Pense bem: essas despesas mais rotineiras — como água, energia elétrica, material de expediente, produtos de limpeza ou manutenção de equipamentos —, quando juntas, podem significar um grande percentual no seu faturamento.

Assim, ao reconhecê-las, o gestor poderá verificar onde existem gastos que podem serem cortados ou diminuídos. E, nesse sentido, saber identificá-los e controlá-los é um passo crucial para a realização de um planejamento financeiro eficiente.

5. Realize reservas e provisões

Como o próprio nome sugere, as reservas são valores guardados para suprir alguma necessidade futura que não estava prevista, como problemas com a produção, contratação de serviços extraordinários, manutenção em equipamentos, dentre outros.

Já as provisões são uma espécie de reserva que tem uma destinação específica, algum gasto já previsto, como o pagamento de férias ou do 13° salário aos funcionários, por exemplo.

Assim, realizar reservas e provisões pode ajudar, e muito, o seu planejamento financeiro. Afinal, elas o deixam resguardado quanto a esses gastos, podendo honrar com os seus compromissos sem sustos, e sem comprometer as finanças da empresa.

É importante, contudo, não confundir esses conceitos com o capital de giro (que vimos no item 2 deste artigo). Aqui, estamos falando de reservas e provisões para o pagamento de despesas, não de investimentos ou operacionalização da empresa, como é o caso do capital de giro.

6. Tome cuidado com os empréstimos

Existem casos em que é necessário recorrer a produtos financeiros de bancos e instituições para arcar com seus compromissos. Se for o caso, alguns pontos devem ser observados para não prejudicarem o seu planejamento financeiro.

Primeiramente, você precisa avaliar a real necessidade de adquirir um empréstimo ou financiamento: só os faça se não houver alternativa. Verifique também se as condições de pagamento se encaixam com as capacidades financeiras do seu negócio.

Em seguida, é preciso conferir se a taxa de juros é aceitável, analisando o prazo que você terá para quitar o financiamento.

Quanto a isso, existem instituições que oferecem excelentes linhas de crédito para empresas que desejam aumentar seu faturamento com a aquisição de maquinários e equipamentos, ou até a aquisição de capital de giro para executar alguma atividade extra que trará bons rendimentos à empresa. Vale a pena pesquisar.

7. Tenha metas financeiras bem definidas

Um planejamento financeiro realmente eficaz deve ter sempre metas financeiras bem definidas.

Você precisa saber exatamente onde quer chegar com o seu negócio. E, para isso, é fundamental saber quais são os caminhos que você deverá percorrer para alcançar suas, bem como o prazo em que deseja realizá-las.

8. Use softwares de gestão financeira

Por fim, nossa última dica diz respeito ao operacional do seu negócio. Para realizar um planejamento financeiro verdadeiramente eficaz, também é fundamental que você conte com o auxílio de softwares de gestão. Com eles, você poderá analisar as movimentações financeiras do seu negócio de modo muito mais ágil e prático.

Além disso, as informações contidas nos relatórios emitidos por esse softwares — desde que alimentadas corretamente — serão bem mais confiáveis que os feitos de forma manual, estes, extremamente propensos a erros.

E, obviamente, analisar um relatório financeiro elaborado de forma incorreta fará com que você tome decisões incorretas, o que pode prejudicar todo o planejamento financeiro realizado.Gostou deste artigo sobre planejamento financeiro? Então, continue acompanhando os nossos conteúdos no Linkedin.


Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *